fbpx

A construção civil na pandemia: como está essa indústria?

O questionamento sobre a situação da construção civil na pandemia é muito importante para entender como todas as questões que envolvem a covid-19 afetaram o setor e como as empresas buscaram formas para superar essa situação. Afinal, em momentos difíceis precisamos de soluções

Na verdade, é difícil encontrar um setor que não tenha se afetado por conta da pandemia. Com a Construção Civil não foi diferente, por isso, outras formas de se fazer um trabalho precisaram ser pensadas sem que existisse um planejamento.

Neste texto você confere:

Como a pandemia afetou a indústria da construção civil?

Para compreender o cenário atual e traçar uma perspectiva de futuro, primeiro é preciso entender a indústria da construção antes da pandemia.

Depois de aumentar 1.6% no PIB de 2018 para 2019, os dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) apontavam um crescimento de 3% para 2020.

Porém, o alto investimento no setor até amenizou a queda, mas não foi o suficiente para alcançar as expectativas.

Sendo assim, a construção civil também teve problemas na pandemia. Uma vez que as obras foram paralisadas, a jornada de trabalho foi reduzida, além da alta do dólar e do bloqueio na exportação.

Dessa maneira, foi difícil manter as obras, sem a mão de obra e os insumos. Claro que no início tudo foi mais difícil, porque era uma situação desconhecida e não havia um preparo para o impacto financeiro e nem para lidar com o distanciamento social necessário para amenizar a COVID-19.

Se os dados do PIB apontavam uma queda de 1,5% na economia nacional nos três primeiros meses de 2020, na construção civil a queda foi de 2,4% no mesmo período. Mas é preciso considerar que cada empresa enfrentou uma realidade, já que cada uma possui uma particularidade.

Assim, incorporadoras e construtoras que não tinham processos digitalizados tiveram mais dificuldades para se reerguer. Como os escritórios não estavam funcionando, engenheiros e gestores não conseguiam conduzir as atividades no canteiro de obra sem os recursos tecnológicos necessários.

Além disso, o não funcionamento da exportação também trouxe prejuízos. Uma vez que a falta de insumos aumentou o preço de matérias-primas como alumínio e vidro, o que resultou em entregas mais lentas.

Nesse cenário, os investimentos e demandas diminuíram no setor da construção civil.

As alternativas da Construção Civil na pandemia

O setor da construção civil é considerado muito importante para a economia do país. Dessa forma as estratégias precisam ser desenvolvidas para manter a segurança de todos e ao mesmo tempo conseguir restabelecer o ritmo de trabalho. Isso configurou em:

  • Adaptação da Rotina de trabalho;
  • Necessidade de cuidados fundamentais de higienização no canteiro de obra, além do uso de máscaras. Ou seja, seguir a normas de segurança da OMS;
  • Condução do trabalho de equipes administrativas através do home office;
  • Priorização da automatização dos processos ;
  • Utilização de serviços na nuvem;
  • Reconfiguração do relacionamento com fornecedores, sendo tudo através do digital;
  • Adequação dos canais de comunicação das empresas.

Podemos considerar que são muitas adaptações. Mas além das questões fundamentais, necessárias para evitar a proliferação do vírus, as outras questões têm relação com a utilização do digital e a aceleração dos processos tecnológicos.

Em empresas do setor da construção civil é comum debater sobre a inserção de uma cultura que impulsione a inovação. O objetivo é que isso se torne orgânico e constante na empresa. De certo modo, a pandemia colocou a inovação como uma obrigação.

Essa obrigação não é ponto necessariamente positivo ou negativo, até porque depende da realidade financeira de cada empresa, mas foi preciso procurar maneiras para inovar na construção civil durante a pandemia.

Mas como inovar nessa indústria?

Um exemplo de método é a construção offsite, que se configura em uma maneira construtiva que ocorre fora dos canteiros. Ou seja, as peças são pré-fabricadas e chegam prontas na obra. Isso garante a otimização da velocidade de montagem e um trabalho de qualidade.

Além disso, outro método estratégico é a locação de máquinas e equipamentos, já que podem reduzir os gastos e fortalecer o desempenho nos canteiros de obras.

Sendo assim, a construção civil na pandemia demanda, de todo modo, um esforço e um olhar estratégico para os processos.

O replanejamento é uma saída muito importante, que quando bem realizado é capaz de permitir que se estabeleça novamente, a competitividade das empresas e os resultados positivos.

Quantos planos foram alterados com a chegada da pandemia? Assim como no âmbito pessoal, muitas empresas também tiveram que “recalcular a rota” e repensar todos os seus planos. É muito difícil criar planejamentos a longo prazo em meio a uma pandemia.

Replanejamento: uma necessidade da construção civil na pandemia!

Na indústria da construção muitos projetos tiveram que ser repensados e o replanejamento se tornou algo constante nesse setor, já que os serviços dependem de fatores externos como exportação e recebimento de materiais.

Nesse sentido, os insumos necessários para a realização de um projeto precisam ser pensados a curto prazo. Já que a todo momento pode surgir uma nova medida que afete o setor.

Assim, as empresas fazem o replanejamento, considerando as entregas que não foram realizadas. Portanto, a todo instante os engenheiros e gestores precisam ser ágeis para replanejar entregas e novas tarefas.

Dessa forma, a automatização a partir de uma ferramenta capaz de replanejar a obra de forma rápida e eficiente torna-se fundamental. Essa é uma maneira de evitar problemas no processo estabelecido.

Uma ferramenta de planejamento e gestão de obras que deve contribuir bastante é a Prevision. O software permite criar o cronograma de obra com agilidade, possibilitando a realização de um planejamento em até uma hora.

Além disso, o replanejamento é feito automaticamente no sistema. Mas tudo isso só é possível por conta da Linha de Balanço, uma técnica que já falamos aqui e que a Prevision usa para o funcionamento da plataforma.

Dessa maneira, a plataforma é capaz de:

  • Organizar e planejar os locais da obra no tempo;
  • Replanejar a entrega, considerando as atividades anteriores que influenciam na demanda seguinte;
  • Visualizar de forma mais simples, direta e eficiente os impactos e atrasos que o projeto sofrerá;
  • Visualizar todas as falhas do cronograma, permitindo uma rápida correção ao fazer o balanceamento das linhas;
  • Oferecer atualizações sobre o projeto a cada minuto.

Com todas as informações sobre o projeto fica muito mais simples fazer o replanejamento continuamente, de acordo com surgimento de novas interferências.

Qual será o cenário da construção civil pós-pandemia?

Segundo os dados divulgados pelo CBIC, a economia brasileira cresceu 1,2% nos primeiros três meses de 2021, se comparado ao último trimestre de 2020. Já o setor da Construção Civil cresceu 2,1% no mesmo período.

Porém, se comparado ao quarto semestre de 2019, o número é 2,89% menor. Isso também é resultado do aumento dos custos da construção, que acumulou alta de quase 13% nos últimos 12 meses. No mesmo período, o custo dos materiais aumentou 29,90%.

Ainda precisamos avançar muito para recuperar os resultados anteriores à pandemia. Mas a vacinação dos trabalhadores da construção civil e os casos de combate ao vírus nos canteiros de obras ajudam a pensar em resultados positivos para o setor.

O que pode favorecer a indústria na construção civil nos próximos meses e após o fim do isolamento social no Brasil, são os seguintes pontos:

  1. Boas linhas de créditos e lançamentos residenciais.
  2. Reforma e mercado de usados.
  3. Digitalização dos processos.
  4. Contratações remotas.

Ou seja, nos próximos meses o foco deve ser aproveitar as oportunidades e evitar desperdícios e retrabalhos, através da utilização das ferramentas digitais mais ágeis e práticas.

Para saber mais sobre os principais assuntos da Indústria da Construção Civil, clique aqui.

Deixe um comentário