fbpx

Como fazer o controle de qualidade de obra?

Qual a importância do controle de qualidade de obra? Como isso faz a diferença no canteiro? Essas são algumas questões que serão respondidas neste texto.

Sempre falamos aqui sobre a complexidade da indústria da construção civil. O controle de qualidade é mais uma forma de fazer com que tudo funcione de maneira prática e eficiente.

Desse modo, existem alguns caminhos que podem e precisam ser tomados para executar esse processo.

Para compreender melhor leia o texto e confira:

A importância do controle de qualidade de obra
Os maiores benefícios do controle de qualidade de obra
Passo a passo do controle de qualidade de obra
Os pilares do controle de qualidade

A importância do controle de qualidade de obra

Ter um controle de qualidade bem executado significa que há grandes chances de você entregar bons projetos. Isso também contribui para as operações de pós-venda de uma empresa. Pensando a longo prazo esse é um investimento que traz muitos benefícios e pode melhorar a imagem da sua empresa no mercado.

Quando não há um controle de qualidade, aumentam as chances de você se depara com problemas de reclamação de clientes, retrabalhos, perda de contratos, multas, além de outras questões. Ou seja, é melhor apostar nessa proposta preventiva, que deve facilitar o seu trabalho.

Além disso, muito mais do evitar problemas, o controle de qualidade possibilita uma construção de marca sólida e bem posicionada, que desperta a confiança dos clientes. Por isso, esse é um processo que precisa de existir constantemente

Mas é preciso considerar as mudanças que ocorrem no mercado da construção civil, uma vez que as soluções também acabam mudando ou se transformando.

Com a importante e constante modernização do setor, novas políticas de segurança e novos padrões normativos que possibilitam a qualidade da obra acabam surgindo e mudando muita coisa em um curto espaço de tempo.

Por isso, é importante ficar atento. Assim você consegue estar alinhado à um método que foi fiscalizado para que as reais demandas do mercado, das pessoas e do meio ambiente sejam atendidas.

O uso de técnicas e estratégias que prezam pelo aumento da produtividade são pontos importantes para gerenciar a qualidade de uma obra.

Uma norma que é considerada relevante na construção civil é o ISSO 9001. Segundo o Sistemas de Gestão de Qualidade (SQG), a ISSO 9001 deve ser considerada desde a contratação de pessoal até a última etapa, (entrega das chaves).

Desse modo, você possibilita a realização de um trabalho de qualidade e, consequentemente, garante a satisfação do cliente.

Os maiores benefícios do controle de qualidade de obra:

  1. Segurança: tanto os colaboradores que trabalham diariamente no canteiro de obra, quanto os moradores do espaço construído, ficam mais seguros quando projeto é executado pensando no controle de qualidade;
  2. Produtividade: como já foi apontado, esse é um dos pontos positivos do uso do controle de qualidade, já que essa proposta quando aplicada da forma correta, resulta no aumento da produtividade de tarefas grande e pequenas;
  3. Agilidade: Entregar no prazo e ter um orçamento em dia deixa de ser uma dificuldade quando existe um controle de qualidade de obra. Um bom sistema de gestão e o uso de boas plataformas facilitam isso;
  4. Qualidade do produto: a ideia do controle, obviamente, tem como um dos objetivos, entregar um produto final que seja capaz de satisfazer o cliente. E é isso que deve acontecer neste caso;
  5. Otimização dos custos: quando o controle de qualidade é aplicado, os investimentos vão para o lugar certo. Não é só sobre corte de gastos, é sobre saber aplicar o valor disponível. O programa também evita desperdícios e compra de materiais ruins, contribuindo para otimizar os custos.

Passo a passo do controle de qualidade de obra

Os benefícios e a importância do controle de qualidade de obra são evidentes. Mas como colocar isso em prática:

1.Adquira um sistema digital de controle de qualidade

É nesse sistema que outras ferramentas da sua gestão de negócios serão integradas. Assim, você consegue ter controle das ações que acontecem no escritório e também daquelas que ocorrem no canteiro de obras.

2.Treine os colaboradores

Para que os colaboradores da empresa consigam compreender e executar bem as ações das ferramentas é necessário capacitá-los para isso. O treinamento é importante até para atualizar o conhecimento com uma frequência maior.

3.Inicie o controle de qualidade durante a realização do serviço

Não espere ter algo pronto para analisar e garantir a qualidade, comece fazendo isso durante a execução dos serviços. Assim, você consegue criar processos claros e oferecer treinamento, materiais e ferramentas que elevam a qualidade do serviço.

4.Estabeleça um grupo de parceiros gabaritados

Entenda quais são os melhores fornecedores, funcionários, prestadores de serviços e até clientes. Isso garante, por exemplo, que os materiais estejam do jeito certo, no horário certo, entre outras coisas.

5.Ajuste os processos em tempo real

Não se acomode em relação aos projetos, busque melhorias em todos os detalhes, para que assim você perceba o problema e consiga ajustar naquele mesmo instante.

Os pilares do controle de qualidade

Como é possível perceber, existem alguns pontos primordiais para fazer o controle de qualidade de obras.

Ter atenção aos fornecedores é um dos pilares mais importantes na hora de pensar na qualidade. Assim, você precisa se atentar a reputação do fornecedor e já fidelizar um que execute um serviço de qualidade com entrega no prazo.

Desse modo, não adianta pensar só no custo-benefício e no lucro. Escolha pela qualidade, e tente pesquisar e entender se está pagando um preço justo pelo material. Confiança e compromisso são as palavras-chave para pensar no fornecedor.

Não esqueça de escolher um bom material também, pois não adianta ter um bom fornecedor, mas a qualidade do material ser ruim.

Para evitar esse tipo de problema, tente seguir a norma NBR 15575 com atenção. Assim, você garante que todos os materiais utilizados estejam no mesmo nível.

O local da armazenagem do material também deve ser considerado, se a intenção é manter a sua qualidade intacta.

Por fim, esteja por dentro da capacidade e características positivas e negativas dos seus colaboradores. Assim, você consegue entender o que será executado com alta qualidade e o que precisa ser repensado, antes que a execução ocorra. Essa é uma função importante do gestor de obra.

Essa mesma regra e cuidado deve ser aplicada aos serviços terceirizados que ocorrem durante a execução da obra. É importante que tudo esteja no mesmo nível qualitativo.

O uso de tecnologias e de diversos sistemas é o que auxilia na gestão do controle de qualidade.

Assim, a supervisão pode ser bem feita em obras de diferentes dimensões, acompanhando diferentes fases do projeto.

Para conhecer uma plataforma que contribui para a execução desse serviço entre em contato por aqui.

Gostou deste conteúdo? Nos siga no instagram e acompanhe tudo sobre esse e outros assuntos.

Engenheiro 4.0: O que esperar desse profissional?

Por que é importante falar sobre o engenheiro 4.0? Antes de responder essa pergunta é importante saber que essa é uma área de grande complexidade. Desse modo, os profissionais do setor também são diversos.

Existem engenheiros com formação em diferentes cursos e que se especializam em diversos assuntos. Assim, esse profissional pode trabalhar com construção civil, infraestrutura, transporte, mecânica, softwares…uma infinidade de áreas mesmo.

Por isso, conhecer as inovações do setor é muito importante para unificar esses profissionais, que apesar de diferentes também possuem conexões. Isso porque todos precisam ficar por dentro das novidades para conseguir se destacar no mercado.

O conceito de Engenheiro 4.0 chega para mudar a rotina dos profissionais e das fábricas. Sendo assim, as empresas terão profissionais mais capacitados e resultados mais otimizados.

Para saber mais sobre o assunto, não deixe de ler esse texto agora!

O que é a indústria 4.0?
As características do engenheiro 4.0
A importância da capacitação em BIM para esse profissional

O que é a indústria 4.0?

Tudo bem que o assunto deste artigo é o engenheiro 4.0, mas para falar sobre esse novo profissional é preciso tratar sobre a indústria 4.0. Você já ouviu falar sobre esse conceito?

Antes de chegar nessa fase industrial, o mundo passou por três grandes revoluções industriais e cada uma delas alterou de forma significativa o modelo de trabalho vigente.

  • 1º Revolução Industrial: provocou a mecanização da produção artesanal;
  • 2º Revolução Industrial: impulsiona a produção em massa;
  • 3º Revolução Industrial: advento da transformação digital e aumento da globalização.

Esses momentos de grandes transformações são bem marcantes para nossa história, certo?! Mas o que marcaria o quarto momento industrial?

A quarta revolução é a era da Internet das Coisas (IoT). Isso porque os sistemas de produção estão cada vez mais modernos, customizáveis e autônomos. Assim, a cadeia produtiva fica mais dinâmica e com os sistemas integrados.

Os três pilares principais da Indústria 4.0 são:

  1. IoT (Internet of Things): A internet agora está muito além dos smartphones e computadores. A conexão está até em fogões e geladeiras, por exemplo. Uma revolução no mercado.
  2. Big Data: Essa tecnologia é o que permite a captura, controle e gerenciamento correto dos milhões de dados gerados a cada minuto. Ou seja, um processo indispensável de captação, processamentos e armazenamento de informações na internet.
  3. Segurança: A necessidade do controle e cuidado com as informações na rede exige políticas de privacidade e segurança. Desse modo, problemas de vazamentos, falhas e invasões deixam de acontecer.

A partir desses três pontos é possível perceber que a indústria tem, de fato, grandes mudanças que são capazes de transformar o mercado provocando uma revolução.

As características do engenheiro 4.0

Agora que já foi explicado o que é a indústria 4.0, fica muito mais fácil compreender o que representa o engenheiro 4.0, certo?!

Com tantas inovações, e até mesmo oscilações, nos processos industriais, surgem novas demandas no mercado de trabalho de diversos setores, inclusive e sobretudo, na construção civil.

Os impactos dessas mudanças alteram desde o processo de planejamento até a análise dos resultados de um projeto de obra. Isso significa que o profissional da construção deve ter algumas características, incluindo ser multidisciplinar.

Não basta uma formação, o Engenheiro 4.0 deve ter também outras habilidades:

  • Boa comunicação interpessoal: essa é uma característica capaz de tornar o profissional ainda mais completo. Isso porque permite que o engenheiro consiga delegar tarefas para diferentes pessoas, informar com clareza , liderar um time e fornecer bons feedbacks.

Além disso, o profissional deve ser empático, transparente, sincero e ter visão empreendedora.

  • Visão analítica: Para dar conta de tudo que envolve o projeto, priorizar e ter cuidados analíticos sobre coisas, processos e pessoas é muito importante. Isso não só com os dados, como também para estudar e entender as principais tendências do mercado.

A análise crítica e entendimento de todos os detalhes do projeto contribui para a produtividade do profissional.

  • Planejamento estratégico: Saber os objetivos que se deseja conquistar é primordial para estruturar um bom planejamento com um cronograma preestabelecido.

Para que isso aconteça, o profissional deve interpretar os dados, gráficos e tabelas a fim de realizar um estudo do mercado para aplicá-lo nos projetos.

  • Atualização constante: O Engenheiro 4.0 é o profissional que se preocupa em se manter relevante e alinhado à todas as novidades que surgem. Sendo assim, buscar cursos além da graduação e ampliar o networking, interagindo com perfis multidisciplinares é essencial.

A importância da capacitação em BIM para esse profissional

O Building Information Modeling, ou BIM, é um método tridimensional e digital que desenvolve sistemas de representação de um projeto arquitetônico. A proposta é levar em consideração as características físicas e funcionais do projeto.

A plataforma pode ser acessada de diferentes dispositivos. Assim, você pode conferir diversas informações do projeto com muita facilidade. Além disso, você pode mensurar orçamentos e outros aspectos do projeto.

Sendo assim, o engenheiro 4.0 precisa ser capacitado nesse quesito. Esse profissional precisa ser um conhecedor do BIM para se destacar na indústria 4.0.

Em geral, pode-se dizer que o engenheiro 4.0 é a modernização do profissional do mercado da construção já existente. De certa maneira, a atualização do conhecimento profissional deveria ocorrer em todas as áreas que mudam constantemente.

Na construção civil, as inovações são muitas, sendo certas vezes revolucionárias, de fato. Portanto, o profissional precisa acompanhar o mercado para conseguir executar as funções que são parte da sua rotina de trabalho.

Você acha que é ou tem trabalhado com um engenheiro 4.0? Se não, o que falta para alcançar esse título? Tente refletir sobre isso e buscar melhorias para ser um profissional de grande sucesso.

Para saber mais sobre esse e outros assuntos, nos acompanhe no instagram.

Desperdício de materiais na construção civil: como evitar?

Apesar da indústria da construção representar uma parcela expressiva na economia do país, o desperdício de materiais na construção civil é um fator preocupante e possui números elevados.

Isso significa que mesmo uma indústria de tamanha importância, ainda executa as suas atividades com falhas no planejamento tendo recursos mal aplicados.

Sendo assim, identificado esse problema, as empresas precisam se preocupar mais com esse gap tão comum no canteiro de obra. Até porque esse desperdício afeta o orçamento, resultando na qualidade do serviço e no atraso do prazo de entrega do projeto.

Por isso, neste texto, você confere:

O Impacto do desperdício de materiais na construção civil
7 dicas para evitar o desperdício de materiais na construção civil

O Impacto do desperdício de materiais na construção civil

Segundo uma pesquisa realizada, a tendência é que o número de materiais desperdiçados na construção civil só aumente até 2025. A estimativa é que sejam produzidas mais 2 bilhões de toneladas no mundo. Dados nada animadores, né?!

Esse número exorbitante afeta diretamente os custos no setor da construção civil. Considerando que assim como em outras áreas, a indústria já deve sofrer os impactos da pandemia, agora mais do que nunca é necessário se atentar ao problema do desperdício de materiais.

Porém, essa é uma questão que, majoritariamente, passa despercebida pelo fato do desperdício não ser contabilizado, assim parece não existir um valor que é perdido. Aço, telhas, tijolos, cimento, areia, pedaços e sobras de madeira são alguns dos materiais desperdiçados na rotina do canteiro de obra.

Além dos danos financeiros, existe uma outra preocupação: o destino desses materiais. Isso porque caso seja destinado de maneira inadequada, há grandes chances de gerar impactos ambientais, resultando inclusive no desperdício de água.

Desse modo, é importante que as empresas consultem as condições legais previstas na Lei n° 12.304/2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e na Resolução de número 307 do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente).

Sendo assim, o desperdício de obra na construção pode ser considerado um problema em vários níveis, uma vez que interfere na produtividade da obra, no orçamento, nos prazos e ainda na sustentabilidade. Isso interfere diretamente na imagem e nas conquistas de uma empresa.

Entendo todo este cenário e os problemas que ele configura, muitas empresas têm se atentado aos fatos descritos e apostado em medidas que possam reverter essa situação. Dessa forma, a indústria pode trabalhar em prol do crescimento do setor, da empresa, do cuidado com o meio ambiente e, consequentemente, da sociedade.

7 dicas para evitar o desperdício de materiais na construção civil

As empresas da indústria da construção têm sido mais cuidadosas ao permitir que os profissionais envolvidos fiquem por dentro, entendendo mais detalhadamente do projeto e supervisionando as atividades no canteiro de obras.

Em geral, para solucionar esse ponto falho, a indústria precisa investir em melhorias constantes no que tange a qualidade do serviço, o que inclui o aumento das tecnologias de inovação.

Aposte em um planejamento racional

Sempre que possível relembramos aqui a importância do planejamento na construção civil. Quando existe um plano de obra, as atividades são direcionadas e realizadas da forma e no momento correto.

Agora, quando esse plano não é feito de forma racional e estratégica, divergindo da realidade, os desperdícios acabam acontecendo. Pode ser que a matéria-prima seja comprada em uma quantidade além do necessário, ou na data incorreta, por exemplo.

Esse segundo ponto deve ser levado em consideração para evitar que os materiais fiquem expostos no tempo durante muito dias, interferindo em sua qualidade. Já a compra atrasada interfere na produtividade da obra.

Sendo assim, o planejamento é o que pode evitar problemas como esse. Portanto, realize a etapa do planejamento com bastante atenção e cuidado.

Para ter uma visão ampla das necessidades, conte com diferentes profissionais que são parte do projeto no momento de elaboração do planejamento, incluindo além do engenheiro, o mestre de obra e o arquiteto, por exemplo.

Mantenha a organização do canteiro de obras para facilitar a logística

A organização permite que os profissionais entendam o que é material novo e o que foi utilizado. O próprio espaço de armazenagem dos materiais também é importante neste sentido.

Alguns cuidados práticos ajudam a estruturar a organização no canteiro de obras:

  • Empilhe tijolos e telhas para evitar que eles quebrem;
  • Coloque os sacos de cimento e a argamassa afastado de áreas úmidas;
  • Busque transportar os materiais delicados utilizando o carrinho de mão;
  • Considere as medidas necessárias para a realização de cada atividade, para evitar que seja produzido, por exemplo, concreto em excesso.

Seguindo essas dicas, os profissionais conseguem otimizar o manuseio e deslocamento, tanto de pessoas quanto de materiais. Assim, até a gestão do tempo fica mais organizada.

Adote padrões e aposte na transparência

Apesar da indústria da construção civil ser repleta de imprevistos e particularidades, que variam de acordo com cada projeto, busque adotar padrões que contribuam para evitar o desperdício e aproveitar mais o tempo. Quando o profissional já sabe o que fazer em uma atividade, tudo fica mais simples.

A própria comunicação entre os times ajuda a estabelecer esses padrões e fortalecer a transparência entre todos os envolvidos no projeto.

O uso de ferramentas que centralizam as informações em uma só plataforma, que é acessível a todos, fortalece a transparência entres os times. Os softwares ERP e CRM, certamente podem contribuir neste sentido.

Cuidado na elaboração do orçamento

Assim como o planejamento, a construção do orçamento é essencial para evitar desperdícios na construção civil. Destinar um valor em excesso para a compra de um determinado material pode gerar altos custos e ainda resultar em desperdícios.

Portanto, insira no orçamento, apenas o material necessário para que a obra seja executada.

Lean Construction e outras tecnologias para evitar desperdícios na construção civil

Acima foram citadas tecnologias que contribuem para a centralização das informações, mas além dessas, outras plataformas também ajudam a evitar o desperdício na execução de uma obra.

Um software de planejamento também contribui para a construção de um plano mais otimizado que prioriza as tarefas necessárias.

Assim, os gestores conseguem controlar o que está sendo gasto, sendo possível interferir antes que o desperdício, de fato, aconteça. Ou seja, permite uma tomada de decisão mais rápida e assertiva.

O próprio método do Lean Construction fortalece a indústria da construção civil, evitando que desperdícios aconteçam. Isso porque, essa filosofia prioriza as atividades que agregam valor.

Desse modo, desperdícios e processos desnecessários deixam de acontecer. O objetivo do Lean é tornar o fluxo de trabalho mais direto e claro.

As tecnologias móveis também ajudam na rotina diária da empresa, influenciando na comunicação interna, na gestão de obra e, consequentemente, podendo diminuir o desperdício de materiais.

Treinamentos para a mão de obra

Sempre que tratamos sobre desperdício, precisamos tratar sobre conscientização. Muitas vezes os profissionais que lidam diariamente com os materiais não sabem como cuidar de maneira adequada para evitar o desperdício.

Sendo assim, as construtoras e empresas da construção civil, em geral, devem investir no treinamento desses profissionais. Assim, em cursos e palestras, eles podem aprender a otimizar o uso das matérias-primas e descobrir como destinar os resíduos de forma adequada.

A participação destes profissionais no planejamento de obra, também é uma forma deles ficarem mais por dentro desse processo. Isso contribui para o melhor aproveitamento dos materiais.

Cuidar da armazenagem, validade e reciclagem dos materiais

Por fim, as construtoras e gestores devem estar atentos aos cuidados mais específicos dos materiais do canteiro de obras, contribuindo para a realização de um trabalho de qualidade.

Portanto, os colaboradores devem buscar entender as especificações do fabricante de cada material entregue no canteiro. Ou seja, os profissionais devem ler as embalagens dos produtos para garantir o uso consciente e adequado dos materiais.

Desse modo, após uma leitura atenta, além de diversos detalhes é possível observar a garantia de fábrica dos produtos e os prazos de validade. Assim, os insumos podem ser aproveitados no tempo correto e da forma correta, evitando desperdícios.

A armazenagem dos materiais também pode estar indicada nas orientações, uma vez que alguns materiais precisam ser guardados nas condições adequadas de ventilação e umidade, por exemplo.

Entendo que alguns insumos precisam ser descartados, os profissionais precisam saber como fazer isso da melhor forma possível. Isso porque muitos materiais podem ser reaproveitados através da reciclagem. Alguns exemplos são o alumínio e o cobre, além de muitos outros insumos.

Já pensou em como rever os processos da sua empresa para evitar desperdícios? Esse é o momento de fazer isso!

Para saber mais sobre a indústria da construção civil, acompanhe o nosso perfil no instagram.

Por que optar pelo aluguel de equipamentos na construção civil?

Por que optar pelo aluguel de equipamentos na construção civil

O uso de equipamentos pesados e complexos é parte da rotina do canteiro de obras, isso significa que você precisa trabalhar com diversos aparelhos. Mas você sabe qual é a melhor solução? Será que é melhor investir na compra ou no aluguel de equipamentos de construção civil?

Na verdade, não existe uma resposta definitiva para isso, mas é evidente que a locação pode ser essencial em algumas situações. Quando você aluga equipamentos e máquinas, deixando de comprar esses itens, você pode inclusive aumentar a sua lucratividade.

Por isso, neste texto você confere:

Compra ou aluguel de equipamentos na construção civil: qual a melhor escolha?
Os benefícios do aluguel de equipamentos na construção civil
Como alugar equipamento na indústria da construção

Compra ou aluguel de equipamentos na construção civil: o que escolher?

Essa é sempre uma questão, comprar ou alugar uma casa? Comprar um carro ou pedir no app? E no caso da construção civil, quando assunto é esse, também surgem muitas dúvidas.

Não existe necessariamente certo e errado aqui, tudo vai depender de pesquisa, análise e entendimento do que vale a pena para o seu negócio e para a obra em que você está trabalhando.

A compra de equipamentos na construção civil

A escolha pela compra de equipamentos acaba demandando uma análise financeira ainda mais aprofundada, uma vez que esse seria um gasto alto para um escritório da indústria da construção civil. Afinal, além da compra em si, ainda deve existir gastos com a manutenção dos aparelhos.

No caso da compra, antes tudo é preciso que esse seja um investimento a longo prazo, já que o preço do aluguel pago durante anos pode ultrapassar o valor da compra do equipamento.

Além disso, quando você trabalha com um equipamento próprio, isso facilita a estrutura do trabalho, até mesmo porque existe maior conhecimento técnico dos colaboradores com o maquinário.

Porém, existem casos em que a obra demanda várias máquinas semelhantes. Assim, ainda que você tenha uma ou duas, você acaba precisando alugar outras.

Por isso, é tão importante saber sobre esse mercado de locação de máquinas e equipamentos, já que poderá precisar de uma hora pra outra.

O aluguel de equipamentos na construção civil

As estruturas do canteiro de obras são muito variáveis e nem sempre a sua empresa terá os materiais necessários para trabalhar com um método construtivo. Sendo assim, pode-se dizer que essa é uma das diversas situações em que é preciso alugar equipamentos.

Em geral, o aluguel de equipamento é uma boa solução quando:

  1. A sua utilização não acontece com tanta frequência, já que não faz sentido gastar com um equipamento para ele ficar muito tempo parado;
  2. O custo de manutenção é tão alto que a compra acaba sendo um problema que pode culminar em excesso de gastos. Além disso, esses gastos podem ser resultantes do transporte ou até do armazenamento dos materiais;
  3. O método construtivo ou o tamanho da obra demanda estruturas inviáveis para a construtora, assim é preciso alugar os aparelhos necessários.
  4. Surge um equipamento novo no mercado. Assim, a empresa pode testar e avaliar se a comprar é um bom investimento para o futuro.

Os benefícios do aluguel de equipamentos na construção civil

Entendido quais são os critérios que devem ser levados em consideração na hora de alugar ou comprar um equipamento na indústria da construção, chegou o momento de destacar os benefícios dessa escolha.

 

Aumenta a produtividade

Alugar, usar com cuidado, devolver no prazo e realizar o pagamento. Essas são suas obrigações ao alugar um equipamento.

É evidente que a prática de alugar é mais simples e rápida do que a de comprar, certo?! Porque todo o resto do trabalho fica por conta da empresa que você contratou.

Sendo assim, eles irão armazenar, transportar e fazer a manutenção das máquinas e equipamentos. Ou seja, entende-se que é muito mais produtivo optar pelo aluguel, já que assim ao invés de cuidar dessas burocracias os colaboradores podem se dedicar a outros serviços e demandas.

Otimiza os custos

Obras são sinônimos de gastos altos! Todos que trabalham no setor, ou até que eles que costumam pagar por esse tipo de serviço, sabem que essa é a realidade da construção civil. Por isso, conseguir gerenciar os custos é sempre uma prioridade nesse setor.

O aluguel de equipamentos é uma ação que contribui para otimização, já que é possível configurar uma gestão flexível do capital. Ou seja, você pode variar entre investir em aparelhos e materiais próprios que são usados com frequência, e alugar equipamentos que são menos utilizados.

Dessa maneira, o fluxo de caixa da empresa funciona de forma mais eficiente, possibilitando investimentos assertivos que geram maior crescimentos. Além disso, você pode evitar dívidas.

Possibilita ter sempre a melhor tecnologia

A opção pelo aluguel de maquinários possibilita que você sempre tenha o equipamento mais tecnológico do mercado.

Considerando que surgem tecnologias com muita frequência nesse mercado, quando você compra um equipamento pode ser que ele se torne ultrapassado em poucos anos. Assim, como você fez um grande investimento nem sempre é possível trocar por outro equipamentos mais novo.

Em um cenário de transformação digital é preciso estar sempre atento às práticas mais modernas da área no que tange a economia, equipamentos, produtividade, garantias e transporte fácil.

Quando você investe alto comprando um equipamento, nem sempre é possível inovar e adquirir outro mais moderno assim que for lançado. Neste caso, muitas vezes a empresa acaba demorando um pouco para renovar uma tecnologia por conta disso.

Como alugar equipamentos na indústria da construção

Primeiramente, para fazer o aluguel é importante que os colaboradores responsáveis pela obra saibam exatamente quais são os equipamentos utilizados para a realização da obra no canteiro.

Em seguida, basta pesquisar e encontrar um parceiro que ofereça um serviço de qualidade e que possua um valor justo. Antes de fechar o contrato, verifique se a empresa que fornece os equipamentos também realiza o transporte tanto para dentro quanto para fora do canteiro.

Não deixe de pesquisar e investigar sobre a empresa, para entender a segurança e a qualidade dos aparelhos.
Da sua parte, tome cuidado com a gestão da parte financeira ao gerenciar os projetos que necessitam de aluguel de equipamentos. Também é importante se atentar a outros quesitos.

Obedecer às regras da empresa locadora, por exemplo, é essencial para que a parceria seja um sucesso.

E aí, já sabe se deve alugar ou comprar equipamentos para a realização de uma obra? Não? Então pense e analise com muito cuidado.
Enquanto está pensando, acesse o nosso perfil no instagram (@tcpsistemas) e confira outros conteúdos.

Por que usar a BIM na Construção Civil?

Por que usar a BIM na Construção Civil?

Muitas construtoras e incorporadoras ainda não adotaram essa modelagem em seus negócios, mas não resta dúvidas que a BIM na construção Civil já é parte do grupo de plataformas indispensáveis para a evolução do setor.

O investimento garante um grande retorno para essas empresas, por isso ignorar a existência dessa ferramenta pode ser um grande erro. Dessa forma, neste texto serão apontados alguns motivos para você entender de uma vez por todas a importância da Modelagem de Informação da Construção.

Confira:

O que é o BIM?
Benefícios do uso da modelagem BIM na construção civil
Visão geral e completa da obra
Otimização do cronograma de obra em tempo real
Colaboração eficiente e transparente entre os profissionais
Permite teste, simulações e ajustes
Controle e redução dos custos

O que é o BIM?

A Modelagem de Informação da Construção, ou melhor, a BIM é um processo que permite a criação de um modelo virtual com as informações técnicas das edificações.

Isso mesmo, a partir de um modelo inteligente que é habilitado por uma plataforma na nuvem, a BIM executa suas funções.

Sendo assim, o software integra dados estruturados e multidisciplinares para que seja produzida uma representação digital de todo o processo. Assim, tal representação começa com o planejamento e o projeto, chegando até a construção e as operações.

A BIM é um sistema que integra diversas ferramentas que permite a edição e leitura das informações do modelo. Ou seja, o BIM não é um programa, mas executa tarefas a partir do uso de ferramentas como o TQS, Revit, Archicad e Navisworks.

Benefícios do uso da modelagem BIM na construção civil

Falar sobre a modelagem BIM é abordar um processo de mudança importante para as construtoras e incorporadoras. Porém, esse mercado tende a ser resistente ao surgimento de novas soluções pelo simples medo de sair do tradicional e aproveitar o que é novo.

Uma vez que estamos tratando sobre uma forma muito diferente de projetar obras, é normal que as empresas não apostem na solução em um primeiro momento. Até mesmo o uso de muita tecnologia é um ponto que assusta alguns gestores e dificultam o uso do modelo.

No entanto, considerando que muitas empresas já obtiveram resultados positivos com o uso do BIM na construção civil, é hora de estudar as vantagens e benefícios que a sua empresa pode ter com a sua aplicação e começar a utilizar o modelo.

Visão geral e completa da obra

Uma das funções do projeto da obra é justamente oferecer essa visão macro do que está sendo realizado para que seja possível identificar cada detalhe presente na edificação.

Porém, a modela BIM amplia essa proposta, já que permite a visualização do projeto 3D da construção, incluindo inclusive os prazos e qual é o tipo de mão de obra necessário para cada tipo de atividade ou tarefa.

Dessa maneira, o gestor e toda a equipe pode ter em mãos tanto a visão ampla e geral do projeto, quanto detalhes mais específicos que estão presentes na obra, mas que não deixam de ter importância. Assim, no final das contas o planejamento se torna muito mais seguro e eficiente.

Os projetos em BIM permitem prever e evitar problemas, já que todos os equipamentos utilizados na construção têm sua logística revisada.

Otimização do cronograma de obra em tempo real

Todos que trabalham no setor reconhecem o quanto os imprevistos e problemas de execução são capazes de atrapalhar o cronograma de um projeto, né?!

E não é que o BIM também ajuda a evitar esses problemas. Apesar de ser considerado um software de pré-construção, o BIM tem variações e dimensões que vão muito além disso.

A modelagem BIM se destacou justamente porque insere o fator tempo no planejamento que já existe para a obra. Ou seja, o BIM não para de executar funções quando a obra inicia.

Dessa forma, durante todo o procedimento, de acordo com o avanço da obra, as atualizações e simulações seguem sendo feitas no sistema. Sendo assim, o cronograma vai se ajustando junto com a evolução da obra.

Isso significa que quando existe alguma alteração no cronograma é possível avaliar no BIM o que pode está causando o atraso e como é possível buscar um ganho maior de eficiência.

Colaboração eficiente e transparente entre os profissionais

O acesso do que é realizado por diferentes setores é disponibilizado aos colaboradores de diversos setores da empresa através do BIM. Sendo assim, os profissionais conseguem planejar em conjunto de uma maneira eficaz e transparente.

Conseguindo estabelecer essa clareza das ações planejadas, todos passam a caminhar juntos com os mesmos objetivos traçados. Isso evita erros e atrasos na entrega.

Ou seja, com a Integração BIM vários profissionais conseguem colaborar com um mesmo projeto de forma objetiva. Eles conseguem, assim, visualizar tudo de uma maneira organizada, tendo uma visão do todo mesmo. Isso contribui muito para o sucesso da obra.

Permite teste, simulações e ajustes

Controle também é uma palavra que garante a eficiência da modelagem BIM. Através do sistema é possível realizar testes que simulam diferentes cenários que uma ação pode causar. Dessa forma, os colaboradores conseguem reajustar a falha sem que isso resulte em perda de dinheiro e tempo.

Controle e redução dos custos

O sucesso do uso da modelagem BIM na construção civil se consolida devido ao controle e redução dos custos. Afinal, economizar e ainda garantir um excelente trabalho com ótimas entregas é um dos principais objetivos das incorporadoras e construtoras.

Além da queda nos custos, a modelagem BIM oferece maior segurança para as empresas. Isso tanto no que tange a segurança física quanto jurídica. Um outro ponto essencial para o setor.

E não para por aí, o BIM pode se tornar ainda mais potente quando associado a uma plataforma integrada. Assim, você pode, por exemplo, integrar o sistema a uma ferramenta que permite acesso ao financeiro da empresa. Dessa forma, o controle do fator custo ganha maior eficiência.

Com isso, além de avaliar os prazos, a gerência das construtoras ou incorporadoras conseguem avaliar ainda, em tempo real, se o orçamento da obra está sendo eficaz. Ou seja, assim é possível não só controlar e neutralizar problemas de atraso como de orçamento também.

Considerando que com essa integração a empresa passa ter maior controle do processo de logística e financeiro, também se torna mais fácil identificar padrões.

Isso significa que você pode usar o histórico de atividades de cada obra para analisar os pontos que funcionaram e otimizar os processos.

Sendo assim, podemos concluir que a modelagem BIM é muito mais do que um software. O sistema é uma solução que insere novas formas de entender os projetos e desenvolvimento de obras.

Quer saber mais sobre temas relevantes para as construtoras e incorporadoras? Então nos acompanhe no instagram (@tcpsistemas).

Por que contratar um seguro de obra?

Por que contratar um seguro de obra?

Quando pensamos no setor da construção civil é inevitável não pensar em riscos, uma vez que o canteiro de obra é repleto de maquinários pesados, trabalho em altura e objetos cortantes. Por isso, o seguro de obra acaba sendo essencial para esse setor.

Dessa maneira, a empresa fica protegida e menos vulnerável diante de muitas situações. Isso porque não existe controle sobre quando um problema irá acontecer. Sendo assim, mais do que a indenização, o valor do seguro está justamente na sensação de proteção da obra e das finanças.

Neste texto, você confere:

O que é seguro de obra?
O seguro de obra ajuda a recuperar o investimento feito na construção
Protege problemas recorrentes na obra
Evitar gastos adicionais
Protege terceiros por problemas na obra
Cobre mesmo após a entrega da obra
Seguro de obra – Baixo investimento
Para cumprir a legislação contrate um seguro de obra
Como contratar um seguro de obra?

O que é um seguro de obra?

Assim como outros seguros existentes como o de vida e de automóveis, o seguro de obra tem um objetivo principal. A proposta é basicamente servir como um recurso financeiro para cobrir prejuízos em casos eventuais como desastres naturais, acidentes de trabalho, dentre outros.

Esses prejuízos podem atingir e causar danos materiais, mas muitas vezes o suporte financeiro serve para ajudar os trabalhadores em casos de danos físicos. Dessa forma, forma, basta o contratante do seguro entrar em contato com a seguradora.

Ainda existem empresas que não querem investir em seguro de obra, contando que nunca vão precisar utilizar esse recurso. Afinal, esse é um tipo de investimento que você paga, mas torce para nunca precisar usar mesmo.

Entretanto, acaba sendo inviável investir em um projeto de obra que pode custar até milhões de reais, sem que exista uma proteção para imprevistos. Portanto, se você vai projetar uma obra já insira esse custo no seu planejamento considerando ainda toda a parte burocrática.

Entenda melhor todas as vantagens da contratação de seguro de obra abaixo:

O seguro de obra ajuda a recuperar o investimento feito na construção

Como já foi falado acima, a principal vantagem do seguro de obra é a proteção do investimento feito para a construção da obra até o momento em que o problema acontece.

Assim, caso o seguro cubra tal problema, muitas vezes a empresa consegue que a obra continue ou seja retomada de forma breve. Dessa maneira, os lucros do empreendimento tendem a ser mantidos, evitando prejuízos.

Ou seja, quando a empresa tem um seguro de obra bem estabelecido, ao invés de perder um empreendimento por completo diante de um imprevisto, ela consegue mantê-lo vivo.

Protege problemas recorrentes na obra

Cada tipo de seguro protege e cobre um conjunto de problemas específicos que são determinados no acordo entre contratante e contratado.

Para isso, a empresa normalmente deve fazer um estudo para entender quais são os principais problemas que podem aparecer e causar danos no canteiro de obras. Assim, alguns dos pontos mais frequentes no seguro de obras são:

  • Danos frutos de desastres naturais (chuvas, enchentes, ventos);
  • Erro no projeto construídos;
  • Problemas na execução da obra;
  • Falhas em equipamentos;
  • Roubo de materiais.

Evitar gastos adicionais

Além dos problemas que acontecem nas obras, o seguro também evita prejuízo com gastos adicionais. Ou seja, ao contratar o seguro, em caso de imprevistos, a empresa também poderá evitar, por exemplo, gastos:

  • com pagamento de indenização e multa por atraso e rescisão de contrato;
  • para fazer a correção de problemas anteriores, do terreno, por exemplo, que poderiam atrapalhar a obra;
  • para pagar advogados em algum tipo de processo que pode vir a acontecer.

Protege terceiros por problemas na obra

Indiretamente o seguro também protege outras pessoas, que muitas vezes não têm qualquer tipo de relação com a obra como vizinhos, além de parceiros comerciais e os funcionários colaboradores.

Pode existir uma situação em que a construção de um prédio pode provocar danos graves em construções de terrenos vizinhos, por exemplo. Isso acontece a partir de erros técnicos na hora da elaboração da obra. Um problemão não é mesmo?

Diante dessa situação, os proprietários desse terreno não podem sair no prejuízo, já que esse problema pode danificar o seu imóvel. Neste caso, a empresa teria que pagar todos os custos desse problema, certo?!

Porém, quando o seguro cobre esse aspecto, a despesa acaba não sendo da empresa e sim da seguradora. O que também evita que sua empresa possa sofrer e gastar também com processos judiciais, ou qualquer outra burocracia do tipo.

Cobre problemas mesmo após a entrega da obra

Após a finalização da obra alguns problemas podem surgir. Neste caso, identificando que o problema foi da construtora, é ela que fica responsável por encontrar soluções e consertar o erro.

Porém, quando o contrato de seguro cobre o pós-obra, a empresa pode ficar mais tranquila e seguir com outros projetos. Enquanto isso, a seguradora resolve as pendências que surgiram na construção.

Dessa forma, a empresa evita comprometimento e problemas com o fluxo de caixa, que poderia inclusive ter consequência em negócios futuros.

Seguro de obra - Baixo investimento

O valor do seguro representa normalmente uma porcentagem baixa se comparado ao valor gasto com toda a construção. Sendo assim, pode ser considerado um equívoco dizer que um seguro é caro, uma vez que ele costuma representar um valor entre 0,1% e 0,5% do valor orçado para a obra.

A empresa deve colocar na balança e perceber que qualquer problema dos que foram citados anteriormente, custaria um valor muito mais alto.

Para cumprir a legislação contrate um seguro de obra

O último item para explicar o porquê do seguro de obra é a legislação. A falta de seguro pode gerar implicações legais.

A lei exige que o seguro de obra seja contratado, tanto para proteger a empresa quanto para proteger os envolvidos, mesmo que indiretamente, no projeto. A não contratação do seguro é considera uma ação imprudente, que pode colocar a empresa em prejuízo com a justiça

Como contratar um seguro de obra?

Depois de entender a importância do seguro de obra é hora de fazer a contratação deste seguro.
Primeiro conheça os três tipos de seguros existentes no mercado, como é destacado no site do Sienge.

  1. Obras civis em construção: para danos durante a construção;
  2. Instalações e montagem: para problemas em reformas e instalações, como no caso de estandes temporários;
  3. Quebra de equipamentos: para problemas com equipamentos no canteiro de obras. As máquinas em questão podem ser tanto elétricas quanto eletrônicas.

Em seguida, sabendo ou não qual é o tipo de seguro que você precisa, procure um corretor que você confia. Assim, ele mesmo pode ajudar a definir qual seria a melhor opção de seguro para a sua empresa.

O próprio corretor pode também te ajudar a entender as regras da seguradora, as limitações, os diferenciais e como cada recurso pode ou não ajudar a sua empresa e todos os envolvidos em uma construção.

Na hora de fechar o negócio é importante considerar alguns fatores primordiais como a qualidade do atendimento da seguradora, o custo benefício do seguro e a estrutura de suporte oferecida pela seguradora.

A última etapa desse processo é a parte burocrática que existe em qualquer fechamento de negócio, que seria dar entrada na documentação exigida. Mas isso é muito mais simples do que muitos pensam, já que os documentos exigidos normalmente estão com o engenheiro da obra.

Essa documentação às vezes tem algumas variações de acordo com o tamanho da obra. Por exemplo, obras maiores costumam exigir memorial descritivo, projeto de obra e cronograma físico e financeiro.

Além da documentação, a seguradora pode também solicitar uma visita ao canteiro de obras para verificar se estão cumprindo com as regras da seguradora.

Ficou alguma dúvida sobre o assunto? Entre em contato conosco e acompanhe nosso conteúdo no instagram (@tcpsistemas).

Sustentabilidade na construção civil: saiba como aplicar!

Sustentabilidade na construção civil: saiba como aplicar

A Indústria da Construção é responsável por parte considerável da receita e da empregabilidade no país. Mas, além disso, ela movimenta e afeta diretamente várias frentes que têm impacto na qualidade de vida dos indivíduos. Um desses aspectos envolve a sustentabilidade na construção civil.

Se esse setor tem como responsabilidade construir os ambientes de vivência da população, o resultado disso e as formas de como as etapas são feitas precisam ser avaliadas.

Dessa maneira, ao analisar a indústria fica evidente que as suas práticas geram resíduos e poluição, o que prejudica o meio ambiente.

Para a indústria ser mais sustentável as formas de trabalho precisam ser revistas e é sobre isso que vamos tratar neste conteúdo.

Sendo assim, neste texto você confere:

Por que apoiar a sustentabilidade na construção civil?
Os critérios de sustentabilidade na construção civil
Como aplicar a sustentabilidade na construção civil?

Por que apoiar a sustentabilidade na construção civil?

A ação sustentável preza pelo cuidado e conservação diária tendo como enfoque a natureza. Na construção civil a sustentabilidade pretende preservar os danos ao meio ambiente, diminuindo o uso dos recursos não renováveis e repensando as práticas no canteiro de obras.

As três áreas da sustentabilidade (social, ambiental e econômica) devem ser trabalhadas de maneira integrada. Dessa forma, os impactos positivos começam a aparecer na natureza, na saúde e na sociedade em geral.

Afinal, se a indústria continuar da mesma forma, as consequências serão sentidas ao longo dos próximos anos.

A construção civil emite uma quantidade considerável de CO2 no mundo. Ou seja, o primeiro ponto que podemos considerar aqui é que, sem o cuidado adequado, esse mercado afeta a camada de ozônio e contribui para o aquecimento do planeta. Bem impactante, né?!

Além disso, o setor usa fontes não renováveis de forma constante, produz uma alta quantidade de resíduos e provoca muito desperdício quando não se utiliza das tecnologias corretas. Isso, justamente, porque as inovações no setor até crescem, mas em passos lentos.

Sendo assim, é urgente que as medidas sejam tomadas e a indústria da construção lidere o movimento sustentável. Essa já não pode mais ser uma escolha, mas sim uma exigência do mercado.

Ao repensar a eficiência dos seus empreendimentos e aplicando a sustentabilidade para além de um apelo comercial, as empresas podem, inclusive, melhorar a qualidade das entregas e aumentar a sua produtividade.

É comum que ao colocar em prática a ação sustentável o canteiro de obras tenha grande redução na produção de resíduos e elimine retrabalhos.
Assim, as medidas de sustentabilidade na construção civil contribuem para a preservação de recursos naturais. Além disso, insere um posicionamento de mercado que traz benefícios financeiros e atribui valor ao empreendimento.

Os critérios de sustentabilidade na construção civil

A sustentabilidade busca o consumo consciente de recursos não renováveis. Por isso, a sustentabilidade na construção civil gera impacto, uma vez que diminui o consumo de papel, o descarte de resíduos entulhos, além do reaproveitamento de materiais.

Mas como definir se uma obra está sendo, de fato, sustentável? No Brasil esses critérios são definidos a partir de alguns selos específicos.

  1. LEED: esse sistema padroniza, orienta, mensura, certifica e classifica Green Building. Ou seja, documenta as fases do projeto, construção e utiliza critérios de eficiência energética e de uso de água, materiais e recursos, inovação e processos, além da qualidade ambiental interna.
  2. AQUA: uma certificação que estabelece 14 critérios de análise que podem ser avaliados como “Bom”, “Superior” ou Excelente”. Tais critérios são divididos em quatro categorias (Eco-construção, Eco-gestão, Conforto e Saúde) responsáveis por avaliar não só a gestão ambiental, mas também as especificidades técnicas e arquitetônicas.
  3. PROCEL EDIFICA: criada pelo Ministérios de Minas e Energia e da Indústria e Comércio, essa certificação busca promover a racionalização da produção e do consumo de energia. Avaliada de maneiras distintas em edifícios comerciais e residenciais, a etiqueta é concedida na fase de projeto e após a construção.
  4. SELO CASA AZUL: o sistema da Caixa Econômica Federal classifica os projetos habitacionais sustentáveis do país a partir de 53 critérios divididos em seis categorias – Qualidade Urbana, Projeto e Conforto, Eficiência Energética, Conservação de Recursos Materiais, Gestão de água e Práticas Sociais.

Como aplicar a sustentabilidade na construção civil?

Em texto publicado no blog do Sienge, quatro pontos são destacados como forma de aplicar a sustentabilidade na construção civil: construção à seco, materiais de construção ecológico, iluminação e ventilação natural, controle de resíduos mais eficiente.

Construção à seco

O método da construção à seco é uma alternativa à alvenaria, sistema de construção mais usado no Brasil. Mas por que usar essa inovação ao invés do método mais tradicional?

Uma das grandes vantagens da construção à seco é, justamente, a sustentabilidade. Além disso, outros benefícios ajudam a tornar esse modelo de construção tão eficaz. Uma vez que proporciona um imóvel com mais conforto térmico e acústico, resistência e durabilidade da própria alvenaria.

Já falamos aqui sobre os diferentes métodos construtivos. Mas cabe destacar neste texto o Wood Frame e o Steel Frame, uma vez que esses métodos quase não gastam água e geram menos resíduos se comparado a alvenaria.

Outro ponto positivo desses modelos é a eficiência do consumo de energia durante a vida útil do imóvel. Assim, fica claro que as possibilidades de métodos construtivos que contribuem para a sustentabilidade na construção civil existem.

Dessa maneira, construir a seco é sinônimo de edificações de qualidade e de cuidado ao meio ambiente no período que antecede, no decorrer e de depois da obra.

Materiais de construção ecológicos

O uso de materiais de construção ecológicos é uma outra maneira de contribuir para a sustentabilidade na construção civil.

Atualmente existem muitas possibilidades sustentáveis que são capazes de evitar danos ao meio ambiente.

Os materiais ecológicos mais usados no mercado hoje em dia são: telhados verdes, cimento ecológico, madeiras de reflorestamento, piso intertravado e vidro inteligente.

Cada material contribui de uma maneira, possuindo objetivos sustentáveis diferentes. Dessa forma, as empresas podem aproveitar esses recursos para diminuir os problemas causados ao meio ambiente.

Para isso, elas contam com o uso de meios tecnológicos que proporcionam essas soluções, que conseguem ser sustentáveis, mas que também são acessíveis. Porque não adianta que os métodos sustentáveis possam ser utilizados apenas em projetos grandes e ricos.

Iluminação e ventilação natural

A forma como imóvel é projetado pelo arquiteto também influencia na sustentabilidade na construção civil. Especialmente quando há uso de tecnologias que apoiam a sustentabilidade como o BIM, o projeto arquitetônico já indica os meios de contribuição da obra nesse sentido.

A iluminação e a ventilação natural são os pilares da arquitetura inteligente e sustentável. Mas o próprio design e os materiais escolhidos para o projeto são importantes para a sustentabilidade.

Ou seja, nem sempre precisa-se de um gasto excessivo para ter uma edificação sustentável. Se um prédio comercial for construído com essa proposta de menos luz artificial ou ventilação a partir da eletricidade, os danos já serão reduzidos.

Controle de resíduos mais eficiente

O uso do método da construção à seco, assim como atualização dos materiais ecológico já podem diminuir os resíduos. Porém, outras metodologias também podem ser adotadas para alcançar esse objetivo.

Para controlar o uso de materiais que danificam o meio ambiente gerando resíduos, os gestores de obra precisam evitar o desperdício de materiais de construção. Esse é o passo importante

Outra possibilidade é a reciclagem dos resíduos para um outro fim, já que existem algumas alternativas interessantes para o uso desses resíduos que são produzidos no canteiro de obras. O Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (PGRCC) também ajuda a identificar soluções de reciclagem.

Sendo assim, sabendo dos problemas que a indústria causa ao meio ambiente e as formas sustentáveis de solução existentes até então, as empresas precisam colocar essas ações em prática em prol de uma sociedade mais verde. As técnicas sustentáveis são boas para todos os lados e para o planeta.

Quer saber mais sobre a indústria da construção? Nos siga no Instagram (@tcpsistemas).

Como fazer uma boa gestão de estoque de obra?

Como fazer uma boa gestão de estoque de obra

Você acha que as construtoras possuem facilidade em realizar a gestão de estoque de obra? A resposta para essa pergunta é não, afinal essas empresas enfrentam muitas dificuldades em gerenciar essa etapa que influencia diretamente na qualidade da entrega no canteiro de obras.

Sendo assim, você e a sua equipe precisam encontrar métodos que facilitem essa gestão. Com as ferramentas certas e com os processos delimitados, vocês irão conseguir colocar tudo em prática, o que consequentemente deve afetar positivamente os resultados

Neste texto você confere:

O papel e os pilares da gestão de estoque de obra.
Para uma boa gestão de estoque comece pelas medidas preventivas…
Pessoas, Materiais e Processos: pilares para uma boa gestão de estoque de obra
6 pontos para uma gestão de estoque de obras eficiente
Como colocar em prática…

O papel e os pilares da gestão de estoque de obra

O aumento da produtividade é sempre um objetivo na construção civil. Para cumprir com essa meta uma série de desafios precisam ser solucionados, entre eles o cuidado com o estoque do material no canteiro de obra.

Quando não há uma série de cuidados para ter a conservação adequada dos materiais utilizados, a tendência é que a entrega perca a qualidade. Isso porque a falta de um bom gerenciamento de estoque pode reduzir o ritmo, podendo atrasar todo o cronograma da obra.

Assim, outros problemas também acabam vindo junto, como o aumento de custos com mão de obra, licenças e materiais, além de problemas no fluxo de caixa e a insatisfação do cliente.

Porém, quando existe a gestão de estoque com uma atuação efetiva, a administração das obras flui bem. Assim, a empresa segue organizada e rendendo bons resultados. Ou seja, os preços, prazos e acordos se mantêm e ainda podem contribuir para gerar novos negócios.

Para uma boa gestão de estoque comece pelas medidas preventivas...

Antes de investir no controle dos materiais, faça um estudo preliminar para compreender como está funcionando a rotina dentro do canteiro de obra. Dessa maneira, você pode definir estratégias para que a própria rotina, assim como a locomoção e logística dos materiais e colaboradores funcione adequadamente.

Dessa forma, acaba sendo muito mais prático fazer a armazenagem, logística e o cronograma físico de cada edificação. É preciso compreender ainda, que para gerir o estoque, o cuidado com a estrutura é um ponto importante.

Ou seja, a determinação do local de armazenagem deve ser definida com antecedência. Assim, o espaço será preparado e coberto para evitar que os elementos da natureza como chuva, vento e sol danifiquem os insumos.

A soma do controle quantitativo e qualitativo dos materiais é o ideal para garantir a diminuição de gastos com perdas e furtos. Além de contribuir para que a entrega seja feita no prazo.

Todos esses aspectos podem ser bem realizados quando há um planejamento que antecede cada projeto, o que inclui analisar a quantidade de materiais que são necessários para cada etapa da construção. Uma gestão bem planejada normalmente funciona muito melhor.

Pessoas, Materiais e Processos: pilares para uma boa gestão de estoque de obra

  1. Pessoas: Para gerir estoque é preciso gerir pessoas, uma vez que elas passam diariamente por pressões e desafios. Mas além dos colaboradores, é preciso ter atenção ao lidar com fornecedores e entregadores. Ou seja, com os diversos indivíduos que participam, também indiretamente, da construção.
  2. Materiais: É necessário controlar a entrada e saída, logística e armazenagem dos materiais. Por isso, o responsável pela parte de estocagem deve conhecer cada material de forma específica. Dessa maneira, o colaborador consegue tomar as melhores decisões.
  3. Processos: Para lidar com os dois primeiros pilares é necessário estabelecer processos. Assim, criando métodos funcionais e identificando constantemente as suas falhas é possível gerenciar o estoque de forma efetiva.

6 pontos para uma gestão de estoque eficiente

Alguns processos que contribuem para eficiência da gestão de estoque são:

  • Descrição do material: descreve o que exatamente está sendo controlado para que todos os colaboradores que são parte do processo compreendam. Anote, inclusive, a unidade de cada coisa que foi estocada para conseguir controlar o quantitativo do material.
  • Controle de entrada e saída: Defina se irá controlar a quantidade de material que entra e sai da obra diariamente ou semanalmente. Entenda qual é a melhor forma para evitar tanto a falta quanto a sobra do material.
  • Monitore os dados: verifique sempre o horário de entrada e saída de veículos de carga e descarga. Assim, a equipe consegue entender esse processo, evitando desperdiçar tempo com transporte.
  • Estoque mínimo e máximo: busque identificar qual é o mínimo de estoque necessário para uma obra continuar com segurança e qual é o máximo que o espaço de estocagem suporta.
  • Tempo de reposição: identifique em quanto tempo é reposto cada item que sai do estoque.
  • Armazenagem: tente entender e estudar a melhor maneira de armazenar cada tipo de material, evitando perder e estragar propriedades.

Como colocar em prática...

Já falamos sobre os pilares e processos de gestão de estoque de obra. Agora é hora de tratar sobre alguns métodos que ajudam a colocar tudo isso em prática.

  • Planilha de controle de estoque: uma forma fácil de dar atenção ao financeiro, controlando as entradas e saídas de dinheiro relacionado aos materiais estocados, é através do uso de uma planilha de controle diário bem elaborada.
  • Avaliação de dados: para otimizar os processos é importante você fazer essa avaliação. Dessa maneira, você pode entender os padrões de acertos e erros que ocorrem na entrada e saída de materiais. Assim, caso seja necessário, você pode alterar os processos que não estão funcionando.
  • Integração da gestão de estoque com outras áreas:  A gestão de compras de suprimentos e o cuidado com a estocagem, por exemplo, estão diretamente relacionados. Portanto, busque uma plataforma eficiente de gestão integrada para construção civil e otimize os processos.
  • Inventário: ao listar os materiais e as suas especificações fica muito mais fácil melhorar o planejamento e controlar os materiais e os seus custos.

E aí, já sabe como fazer a estocagem dos insumos agora?

A gestão de estoque de obra é mais um método que ajuda a melhorar os resultados da sua empresa na indústria da construção civil. Para conhecer outras formas de melhorias clique aqui.

Por que utilizar a ciência de dados na construção civil?

Por que utilizar a ciência de dados na construção civil?

A construção civil e as engenharias, de modo geral, fazem parte das ciências exatas. Por isso, é fácil compreender que o uso da ciência de dados na construção civil é uma decisão assertiva. Mas será que os empreendimentos do ramo pensam dessa forma?

Pois bem, infelizmente, muitas empresas do setor da construção civil ainda não se importam, ou até sabem da necessidade, mas ainda não implementaram a análise de dados em suas rotinas. Isso pode resultar na perda de lucratividade e no desperdício, entre outras questões.  

Dessa forma, se você trabalha em um setor que mexe com dados, é essencial que você se preocupe com eles.  Assim, uma maneira de obter benefícios a partir da análise de dados é com a aplicação de técnicas data science ou de ciência de dados.  

Sendo assim, neste texto, você confere:

O que é data science ou ciência de dados?

Traduzido para o português como “ciência de dados”, o Data Science nada mais é do que o estudo e análise de dados. Essa proposta busca, sobretudo, provocar novas ideias e debates sobre o negócio, a partir dos números identificados neste estudo detalhado.

Sendo assim, podemos compreender que a ciência de dados é responsável por auxiliar nos momentos e escolhas decisivas de uma empresa. Além disso, a partir dos insights, contribui para a redução dos custos e melhora a eficácia das ações.

A Ciência de Dados na Construção Civil

Sempre falamos aqui no blog, sobre a automatização das tarefas e digitalização dos processos da construção civil. Mesmo que essas tecnologias não sejam aplicadas, atualmente, por todas as empresas do setor, esse é um caminho capaz de solucionar muitos problemas.

A ciência de dados serve em muitos momentos como base para a aplicação dessas tecnologias. Sendo assim, o setor da construção tende a adotar essa solução para ter níveis elevados em seus projetos. Isso possibilita maior competitividade nesse mercado concorrido.

As empresas que são parte desse mercado utilizam de alguns métodos e aplicativos para viabilizar a solução. Assim, torna-se possível coletar, registrar e analisar as informações presentes nas diversas cadeias de produção industrial.

Dessa maneira, as empresas da indústria que se utilizam dessa inteligência conseguem obter informações preciosas que resultam na melhoria de processos, em maior eficiência, consistência no valor de negócio e economia dos recursos.

Porém, existem casos em que a evolução e o uso estratégicos dos dados não são facilmente realizados, uma vez que aa construtoras enfrentam desafios como:

  • Falta de profissionais qualificados;
  • Não possui as ferramentas necessárias;
  • Desajustes na hora de coletar e organizar os dados;
  • Dificuldade com a parte de registro históricos;
  • Falta de conhecimento para conseguir realizar a análise de dados.

Esses problemas citados acima podem ser reajustados aos poucos, mas é importante tomar cuidado com essas consequências relacionadas ao mau uso de dados. Já que pode contribuir na perda de oportunidade de negócio, falhas de processo, atrasos nas entregas e redução de desempenho.

Ou seja, existem dificuldades na utilização de dados que podem impactar consideravelmente na indústria da construção. Por isso, é muito importante a produção de conteúdo para a capacitação dos profissionais sobre esse assunto.

Os benefícios da ciência de dados na construção civil

  1. Gestão de projetos facilitada: a coleta e análise de dados em tempo real contribui para a geração de informações precisas, verificando se os projetos podem ser finalizados no tempo certo e dentro do orçamento.
    Também contribui para a melhora nos fluxos de trabalhos, automatização das tarefas, redução dos custos e gestão eficiente de equipe.
  2. Mais previsibilidade: a partir da aplicação da técnica de Data Science, “análise preditiva”, ou seja, da combinação de dados históricos e dados atuais, é possível elaborar previsões.
    Assim, torna-se mais fácil identificar riscos, desafios e problemas.
  3. Planejamento e orçamentos inteligentes: realiza o cruzamento de dados históricos e dados de mercado, que servem de parâmetros para avaliar a capacidade de entrega e disponibilidade de funcionários, níveis de oferta e demanda.
    Além da necessidade de materiais, análise de riscos no processo e níveis de oferta e demanda.
  4. Melhora controle logístico e de armazenamento: a aplicação da ciência de dados controla a cadeia de suprimentos, aumenta a precisão na entrega de produtos e otimiza serviços operacionais.
  5. Análise de indicadores e cruzamento de dados: possibilita o cruzamento de dados importantes. Assim, é possível controlar o andamento dos projetos e ter insight que oferecem maior eficiência.
    Dessa maneira, as empresas conseguem tomar decisões estratégicas, que permitem a satisfação do cliente.
  6. Redução de desperdícios: o Data Science permite prever a quantidade necessária de insumos para a realização de uma obra e o tempo de cada tarefa.
    Esse método também permite a utilização de modelos preditivos, a partir da consulta de níveis de desperdícios em obras e projetos passados.
  7. Aumento da segurança e redução de riscos: instalação de sensores e aparelhos que coletam dados (temperatura, intensidade de ruído e partículas de poeira) em tempo real.
    Assim, as construtoras identificam problemas e riscos que poderiam ter impacto na saúde dos trabalhadores, evitando possíveis incidentes.

Como utilizar a ciência de dados na construção civil ?

Agora você já sabe o que é e quais são os benefícios da ciência de dados para a indústria da construção. O próximo passo é conhecer e aplicar as ferramentas e metodologias necessárias para efetivação dessa solução.

Dessa forma, ao usar os dados de forma adequada, as construtoras conseguem usar as informações para o monitoramento de todo o processo produtivo. Como nos seguintes casos:

  • Dados contábeis e dado do trabalho em desenvolvimento no escritório;
  • Dados de gerenciamento de projeto;
  • Dados do espaço de trabalho, que são coletados via wearables, sensores em equipamentos, materiais e dispositivos móveis.

Para conseguir essas informações de maneira efetiva, você pode utilizar o Lens. Esse termo representa uma combinação de Big Data e BIM (Building Information Modeling).

A recente tecnologia, trata-se de uma plataforma 3D capaz de produzir modelagens e simulações que são baseadas em histórico de dados. Sendo assim, as alterações podem ser feitas considerando as possíveis consequências.

Esse é um dado gerado em um sistema que permite mais assertividade no momento do planejamento das obras, por exemplo.

A partir de um grande banco de dados com informações que correspondem ao projeto combinado ao BIM, a simulação é realizada. Isso garante que os impactos de uma alteração possam ser avaliados. Ou seja, essa é uma possibilidade de aplicação do Data Science na Construção Civil.

A construção civil na pandemia: como está essa indústria?

A construção civil na pandemia: como está essa indústria?

O questionamento sobre a situação da construção civil na pandemia é muito importante para entender como todas as questões que envolvem a covid-19 afetaram o setor e como as empresas buscaram formas para superar essa situação. Afinal, em momentos difíceis precisamos de soluções

Na verdade, é difícil encontrar um setor que não tenha se afetado por conta da pandemia. Com a Construção Civil não foi diferente, por isso, outras formas de se fazer um trabalho precisaram ser pensadas sem que existisse um planejamento.

Neste texto você confere:

Como a pandemia afetou a indústria da construção civil?

Para compreender o cenário atual e traçar uma perspectiva de futuro, primeiro é preciso entender a indústria da construção antes da pandemia.

Depois de aumentar 1.6% no PIB de 2018 para 2019, os dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) apontavam um crescimento de 3% para 2020.

Porém, o alto investimento no setor até amenizou a queda, mas não foi o suficiente para alcançar as expectativas.

Sendo assim, a construção civil também teve problemas na pandemia. Uma vez que as obras foram paralisadas, a jornada de trabalho foi reduzida, além da alta do dólar e do bloqueio na exportação.

Dessa maneira, foi difícil manter as obras, sem a mão de obra e os insumos. Claro que no início tudo foi mais difícil, porque era uma situação desconhecida e não havia um preparo para o impacto financeiro e nem para lidar com o distanciamento social necessário para amenizar a COVID-19.

Se os dados do PIB apontavam uma queda de 1,5% na economia nacional nos três primeiros meses de 2020, na construção civil a queda foi de 2,4% no mesmo período. Mas é preciso considerar que cada empresa enfrentou uma realidade, já que cada uma possui uma particularidade.

Assim, incorporadoras e construtoras que não tinham processos digitalizados tiveram mais dificuldades para se reerguer. Como os escritórios não estavam funcionando, engenheiros e gestores não conseguiam conduzir as atividades no canteiro de obra sem os recursos tecnológicos necessários.

Além disso, o não funcionamento da exportação também trouxe prejuízos. Uma vez que a falta de insumos aumentou o preço de matérias-primas como alumínio e vidro, o que resultou em entregas mais lentas.

Nesse cenário, os investimentos e demandas diminuíram no setor da construção civil.

As alternativas da Construção Civil na pandemia

O setor da construção civil é considerado muito importante para a economia do país. Dessa forma as estratégias precisam ser desenvolvidas para manter a segurança de todos e ao mesmo tempo conseguir restabelecer o ritmo de trabalho. Isso configurou em:

  • Adaptação da Rotina de trabalho;
  • Necessidade de cuidados fundamentais de higienização no canteiro de obra, além do uso de máscaras. Ou seja, seguir a normas de segurança da OMS;
  • Condução do trabalho de equipes administrativas através do home office;
  • Priorização da automatização dos processos ;
  • Utilização de serviços na nuvem;
  • Reconfiguração do relacionamento com fornecedores, sendo tudo através do digital;
  • Adequação dos canais de comunicação das empresas.

Podemos considerar que são muitas adaptações. Mas além das questões fundamentais, necessárias para evitar a proliferação do vírus, as outras questões têm relação com a utilização do digital e a aceleração dos processos tecnológicos.

Em empresas do setor da construção civil é comum debater sobre a inserção de uma cultura que impulsione a inovação. O objetivo é que isso se torne orgânico e constante na empresa. De certo modo, a pandemia colocou a inovação como uma obrigação.

Essa obrigação não é ponto necessariamente positivo ou negativo, até porque depende da realidade financeira de cada empresa, mas foi preciso procurar maneiras para inovar na construção civil durante a pandemia.

Mas como inovar nessa indústria?

Um exemplo de método é a construção offsite, que se configura em uma maneira construtiva que ocorre fora dos canteiros. Ou seja, as peças são pré-fabricadas e chegam prontas na obra. Isso garante a otimização da velocidade de montagem e um trabalho de qualidade.

Além disso, outro método estratégico é a locação de máquinas e equipamentos, já que podem reduzir os gastos e fortalecer o desempenho nos canteiros de obras.

Sendo assim, a construção civil na pandemia demanda, de todo modo, um esforço e um olhar estratégico para os processos.

O replanejamento é uma saída muito importante, que quando bem realizado é capaz de permitir que se estabeleça novamente, a competitividade das empresas e os resultados positivos.

Quantos planos foram alterados com a chegada da pandemia? Assim como no âmbito pessoal, muitas empresas também tiveram que “recalcular a rota” e repensar todos os seus planos. É muito difícil criar planejamentos a longo prazo em meio a uma pandemia.

Replanejamento: uma necessidade da construção civil na pandemia!

Na indústria da construção muitos projetos tiveram que ser repensados e o replanejamento se tornou algo constante nesse setor, já que os serviços dependem de fatores externos como exportação e recebimento de materiais.

Nesse sentido, os insumos necessários para a realização de um projeto precisam ser pensados a curto prazo. Já que a todo momento pode surgir uma nova medida que afete o setor.

Assim, as empresas fazem o replanejamento, considerando as entregas que não foram realizadas. Portanto, a todo instante os engenheiros e gestores precisam ser ágeis para replanejar entregas e novas tarefas.

Dessa forma, a automatização a partir de uma ferramenta capaz de replanejar a obra de forma rápida e eficiente torna-se fundamental. Essa é uma maneira de evitar problemas no processo estabelecido.

Uma ferramenta de planejamento e gestão de obras que deve contribuir bastante é a Prevision. O software permite criar o cronograma de obra com agilidade, possibilitando a realização de um planejamento em até uma hora.

Além disso, o replanejamento é feito automaticamente no sistema. Mas tudo isso só é possível por conta da Linha de Balanço, uma técnica que já falamos aqui e que a Prevision usa para o funcionamento da plataforma.

Dessa maneira, a plataforma é capaz de:

  • Organizar e planejar os locais da obra no tempo;
  • Replanejar a entrega, considerando as atividades anteriores que influenciam na demanda seguinte;
  • Visualizar de forma mais simples, direta e eficiente os impactos e atrasos que o projeto sofrerá;
  • Visualizar todas as falhas do cronograma, permitindo uma rápida correção ao fazer o balanceamento das linhas;
  • Oferecer atualizações sobre o projeto a cada minuto.

Com todas as informações sobre o projeto fica muito mais simples fazer o replanejamento continuamente, de acordo com surgimento de novas interferências.

Qual será o cenário da construção civil pós-pandemia?

Segundo os dados divulgados pelo CBIC, a economia brasileira cresceu 1,2% nos primeiros três meses de 2021, se comparado ao último trimestre de 2020. Já o setor da Construção Civil cresceu 2,1% no mesmo período.

Porém, se comparado ao quarto semestre de 2019, o número é 2,89% menor. Isso também é resultado do aumento dos custos da construção, que acumulou alta de quase 13% nos últimos 12 meses. No mesmo período, o custo dos materiais aumentou 29,90%.

Ainda precisamos avançar muito para recuperar os resultados anteriores à pandemia. Mas a vacinação dos trabalhadores da construção civil e os casos de combate ao vírus nos canteiros de obras ajudam a pensar em resultados positivos para o setor.

O que pode favorecer a indústria na construção civil nos próximos meses e após o fim do isolamento social no Brasil, são os seguintes pontos:

  1. Boas linhas de créditos e lançamentos residenciais.
  2. Reforma e mercado de usados.
  3. Digitalização dos processos.
  4. Contratações remotas.

Ou seja, nos próximos meses o foco deve ser aproveitar as oportunidades e evitar desperdícios e retrabalhos, através da utilização das ferramentas digitais mais ágeis e práticas.

Para saber mais sobre os principais assuntos da Indústria da Construção Civil, clique aqui.